Outsourcing: dividir (trabalho) para multiplicar (resultados)!

Outsourcing é uma prática de mercado onde as empresas terceirizam serviços relativos a alguns de seus setores. Embora pareça algo recente, a ideia não é nova: surgiu na década de 1970, quando empresas de manufatura começaram a buscar mais eficiência e passaram a contratar outras companhias para gerir processos que não lhes eram essenciais. A prática tornou-se cada vez mais popular e desde o ano 2000 teve crescimento contínuo, tendo seu ápice no ano de 2014 quando o mercado global faturou aproximadamente 104 bilhões de dólares.

Segundo pesquisas, 90% das organizações entrevistadas  citaram a prática de Outsourcing como crucial para suas estratégias de crescimento. Um bom exemplo de que a prática traz bons resultados é o caso da  Unisys, uma multinacional que atua na área de TI. A empresa decidiu terceirizar a gestão de pensões dos seus funcionários, a formação, a gestão de incentivos e outros processos na área de recursos humanos. Quando explorou o potencial de outsourcing ao máximo, a empresa estava gerenciando cerca de 40 fornecedores externos diferentes. Qual foi a solução? Mais outsourcing para resolver esta complexidade!

 

Por onde começar?

De acordo com o site pme.pt , existem 5 passos para se implantar a cultura de Outsourcing em uma empresa:

a) Identificação de oportunidades

Nessa primeira fase, entende-se qual é o core business e as atividades-chave da empresa, áreas que não são interessantes entregar para a administração de terceiros

b) Avaliação de oportunidades

Depois de definir quais atividades não devem ser terceirizadas, é preciso definir quais serão. É necessário pesquisar quais são os gastos em todas as áreas, quais requerem mais trabalho e investimento, com quais setores é preciso investir mais em tecnologia e especialistas, onde haverá redução efetiva de custos.

c) Seleção do fornecedor de serviços

Essa fase requer uma atenção maior, pois existem muitos fornecedores de serviços que não vão atender suas necessidades por completo, nem com a qualidade que você deseja; nesse caso, a prática pode até trazer prejuízo. Por isso, é vital que, no momento em que se decide que a terceirização será implantada, procure-se uma empresa parceira nos negócios, estabelecendo uma relação bilateral de confiança onde as responsabilidades por perdas e ganhos podem e devem ser divididas.

d) Processo de transição

Reuniões com as equipes envolvidas com a terceirização é importante. Faça a integração de maneira transparente com todos os funcionários, de modo que todos entendam como e porque o serviço está sendo terceirizado e que mudanças diretas e indiretas esse processo vai acarretar no trabalho de cada um.

e) Acompanhamento e evolução do desempenho

Analise periodicamente se os serviços da empresa terceirizada estão satisfazendo suas necessidades, se o valor cobrado é justo e se existem falhas ou erros no processo que podem afetar sua empresa. Dê feedbacks constantes para o responsável pelo serviço, pois só assim ele poderá melhorar.

outsourcing

 

Pontos fortes e pontos fracos

Sem dúvida a prática de Outsourcing possui mais vantagens do que desvantagens, porém para cada caso é preciso analisar a importância da atuação de empresas “de fora” dentro do seu negócio.

Uma das vantagens é a diminuição dos custos operacionais. Ricardo Henriques, Gestor de TI e membro do conselho da EuroCloud explica que, em média, quando uma empresa terceiriza parte de seus serviços, há uma economia de 20% nos custos totais, que, em alguns casos, pode chegar a 40%, já que no Brasil o custo de manutenção de um funcionário é bastante elevado.

Também é importante o fato de que, quando uma empresa terceiriza serviços que não fazem parte do seu core business, sobra-lhe tempo e energia para se dedicar ao seu produto ou serviço principal, liberando recursos em nível humano, técnico ou financeiro para as atividades-chave da empresa.

Rapidez e eficiência na administração de serviços também é uma vantagem, uma vez que as empresas terceirizadas já possuem know-how e experiência no campo e atuação, prevendo e evitando possíveis problemas que podem acontecer durante a implantação do serviço.

Mas também existem diversos cuidados a serem tomados na hora da adoção da prática, principalmente no que diz respeito à segurança, um dos principais receios dos CEOs. Por isso, é imprescindível que a empresa contratada seja idônea e tenha boa reputação no mercado, afinal você estará disponibilizando informações importantes da sua organização, principalmente quando se tratam de serviços das áreas administrativas e financeiras. Faça um contrato minucioso, determinando quais atividades e informações serão liberadas para a empresa contratada e as penalidades envolvidas em caso de não cumprimento do contrato.

outsourcing-contract-ts-100567563-primary.idge

 

Outsoucing de TI

Segundo o site cio.com, especialistas esperam grandes mudanças na indústria de TI em 2016, e algumas dessas mudanças incluem o foco em fechamento de negócios em velocidade recorde e mais interação na interface homem-máquina. Ou seja, celulares, tablets e notebooks ainda mais a nosso favor, facilitando nossas tarefas diárias. Nesse contexto, os aplicativos (principalmente os personalizados) ganham mais importância, uma vez que o crescimento e a prosperidade dos negócios estão diretamente ligados com a agilidade com que são fechados negócios.

Se você não tiver a produção de aplicativos como core business, é altamente recomendável a contratação de uma empresa para o desenvolvimento dos aplicativos personalizados para a sua empresa! A especialidade da RINGA é desenvolver aplicativos personalizados que satisfaçam todas as necessidades dos nossos clientes, além daquelas que ele nem imagina que tem! Entre em contato com a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *