O que é Web App? Vale a pena investir?

O que é um Web App? Vale a pena investir em um? Porque sim? Porque não?

Um Web App pode ser entendido como uma versão híbrida entre aplicativos nativos para celulares e sites na internet. O modelo Web App combina recursos dos navegadores de internet com alguns recursos do celular.

Ta, mas agora explica o que é um Web App?

Para que o entendimento fique mais claro, vamos citar diferenças entre aplicativos nativos, aplicativos híbridos e Web Apps. Mas antes precisamos evidenciar a noção de site responsivo.

 

Site responsivo

Esse tipo de site é aquele que tem o layout preparado para se adaptar a smartphones ou tablets. Quando os sites são vistos em celulares ou tablets (não mais em computadores), as informações permanecem as mesmas, mas mudam de posição para que o usuário tenha uma experiência de navegação agradável.

Quando um site é responsivo, o layout do mesmo deve se adaptar à tela de um smartphone qualquer. O usuário precisa conseguir visualizar todo o conteúdo sem que seja necessário que ele role o site de um lado para outro.

Exemplo de um site responsivo e como é visto em diferentes dispositivos (imagem retirada daqui).

 

 

App nativo

Dito isso, vamos à noção de aplicativo nativo. Esse é o aplicativo mais conhecido por todas as pessoas, armazenado e instalado diretamente no smartphone, geralmente é encontrado em lojas para download (Google Play Store e App Store).

Os aplicativos nativos são escritos na linguagem de programação específica de cada sistema operacional, sendo as mais populares Swift para aparelhos Apple e Java para aparelhos Android. Esses aplicativos podem acessar todos os recursos do smartphone (câmera, contatos etc.) tendo o usuário maior aproveitamento dos aplicativos, enquanto funcionam com velocidade boa. Na maioria das vezes esses aplicativos também funcionam offline (sem conexão com a internet) e como são oferecidos pelas lojas de onde são baixados, têm segurança garantida.

Imagem de um aplicativo nativo.

 

App híbrido

Já um aplicativo híbrido é aquele que tem um código muito parecido para diversas plataformas diferentes (junção dos aplicativos nativos com os web apps). Isso quer dizer que o programador escreve um único código para rodar em aparelhos Apple e aparelhos Android, por exemplo, e precisa alterar somente algumas partes do código que contém algumas particularidades para poder acessar recursos como a câmera do celular ou a localização geográfica.

Alguns programadores apontam que a principal diferença entre aplicativos híbridos e nativos é que os nativos propiciam uma experiência melhor para o usuário por causa do fator fluxo. Nos aplicativos nativos existe uma fluidez maior devido aos recursos disponíveis para uso e por causa do uso da linguagem específica de cada sistema operacional.

Uma analogia excelente entre aplicativos nativos e aplicativos híbridos foi feita pelo site CREW, nesse artigo. Imaginemos usar o Google Tradutor para traduzir um texto grande. Quem nunca teve essa experiência deveria tentar para ver que isso não traz um resultado muito legal. O Google Tradutor é melhor aproveitado para traduzir poucas palavras (melhor ainda traduzir palavras isoladas), pois traduzir um texto grande não vai trazer um resultado muito bom.

O mesmo acontece com aplicativos híbridos. Imagine pegar um código grande e traduzir para outras linguagens de computação. Algumas vezes pode dar certo, como quando o aplicativo requer um nível básico de design, por exemplo. Já em casos mais complexos a criação de um aplicativo nativo é a melhor escolha, pois existirá um melhor aproveitamento de todas as funcionalidades do aparelho.

Aplicativo híbrido (imagem vem daqui).

 

Web App

Agora vamos ao ponto principal: Web Apps.

Um Web App é basicamente um site na internet que se comporta como um aplicativo. Ele é acessado como qualquer outro site através de um navegador e tem comportamento responsivo (lembra-se da explicação acima sobre sites responsivos?). Também pode-se criar um ícone do site na tela inicial do smartphone para que o mesmo seja diretamente acessado, mas existem algumas limitações dos Web Apps quando comparados às aplicações nativas, por exemplo.

O Web App não consegue utilizar todas as funcionalidades do smartphone, impossibilitando algumas ações. Ele não ocupa espaço na memória do aparelho (porque não necessita de download), porém só funciona se tiver acesso à internet.

 Aplicativo nativo vs. Web App (imagem vem daqui).

 

E agora? Qual é o melhor tipo de aplicativo?

Cada uma dessas tecnologias atende a um requisito diferente e depende unicamente do cliente e de suas necessidades para determinar qual a melhor aplicação para sua empresa. A pessoa pode pensar em algumas perguntas, que listamos abaixo, para determinar o que de fato irá ajudar sua empresa:

Quero dar mais credibilidade à minha empresa?

O aplicativo é uma extensão do meu negócio?

Meu aplicativo precisa funcionar offline?

Como fica a questão da segurança?

Preciso usar vários recursos dos aparelhos nos quais o aplicativo vai rodar?

Com essas reflexões iniciais e os dados apontados neste texto é possível ter uma noção do que seja melhor para cada caso específico.

 

Na Ringa defendemos a criação de aplicativos nativos para que a experiência dos usuários finais seja a melhor possível. Assim eles voltarão a consumir o seu produto ou serviço e ficarão felizes com o app.

Vamos reforçar quatro motivos principais abaixo.

Os aplicativos nativos têm uma usabilidade melhor, já que os Web Apps não se comportam como um aplicativo nativo e sim como um site na internet. A maioria dos nativos também consegue ser acessada offline, o que é um ponto positivo.

A performance também é outra. Os Web Apps são em geral mais lentos e assim não trazem uma experiência tão legal para o usuário (quem é que gosta de esperar muito tempo para que um site carregue completamente?).

Caso busque uma interação menor com os consumidores invista em Web Apps, porém se quiser ter uma interação melhor e maior com os consumidores finais, deve investir num app nativo. Com ele você tem sua marca instalada no celular e consegue realizar um atendimento personalizado, rastreando as ações dos consumidores e gerando mais vendas.

Um último fator é que os Web Apps não conseguem usar todos os recursos que o smartphone disponibiliza, podendo esse inclusive ser um ponto que no futuro afete alguma atualização do produto. Caso você tenha decidido por criar um Web App ao invés de um app nativo, e depois quiser lançar alguma funcionalidade numa atualização, essa pode ficar comprometida caso o recurso do aparelho não possa ser alcançado pelo Web App.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *