10 dicas pra criar um app mobile com uma UX incrível

A experiência do usuário, mais conhecida como user experience ou UX, é a experiência que o usuário terá ao utilizar algum serviço ou produto. Engana-se quem pensa que UX tem somente a ver com o design de algum produto, pois UX é toda a experiência do usuário envolvendo as partes de design, atendimento ao cliente, venda, suporte e manutenção. É o sentimento que a pessoa terá ao usar um produto ou serviço seu.

“User Experience é tudo! É a forma com que você sente o mundo, é a forma como você experiencia a sua vida, é a forma como você experiencia um serviço, um aplicativo, um sistema de computador. Mas é um sistema. É tudo!” — Don Norman, criador do termo User Experience.

O ideal então é que os usuários ou consumidores tenham uma sensação boa e um sentimento bom ao usarem seus serviços, para sempre voltarem a usá-los. Isso traz alguns desafios no quesito UX, pois pesquisas indicam que 25% dos aplicativos mobile instalados são abertos e usados somente uma vez, pela péssima experiência que o usuário tem. Depois os aplicativos são desinstalados e provavelmente ainda receberão uma avaliação negativa na Play Store ou App Store. Aliás, as lojas onde os apps estão disponíveis são importantes fontes de UX. Os comentários deixados pelos usuários refletem problemas reais que eles encontraram no aplicativo. Esses comentários podem influenciar negativamente alguém que queira baixar o app.

Um artigo do Google de junho de 2017 disse que os consumidores querem três coisas: ter ajuda com rapidez, ter atendimento personalizado e serem surpreendidos em todos os lugares.

Mas então, quais são os desafios de UX na hora de desenvolver um aplicativo? No que precisamos nos atentar, em questões de design, layout, usabilidade etc. para que a experiência do usuário seja a melhor possível?

Pensando nos fatos abordados, criamos uma lista com 10 pontos que julgamos importantes a fim de gerar uma boa UX no seu aplicativo mobile:

 

1. Quality Assurance

Começando pelo óbvio, para alguns não tão óbvio assim, um bom QA (Quality Assurance) é importantíssimo antes de lançar qualquer aplicativo mobile para o usuário final. Muitas das revisões nas lojas de aplicativos indicam que os apps têm bugs inadmissíveis e às vezes “bobos”, coisa que poderia ser evitada com um bom QA do início ao fim do ciclo de desenvolvimento da aplicação. Aqui já falamos um pouco sobre a importância do QA no desenvolvimento de um produto. Mas a importância se resume basicamente em não deixar meu usuário final aborrecido com bugs chatos que poderiam ter sido evitados com um simples QA.

 

2. Muitas atualizações

Talvez o fato do app ter muitos bugs irá resultar em muitas atualizações. Quem é que gosta de ficar atualizando o aplicativo a cada mês para uma “correção de falhas”? Provavelmente ninguém… Atualizações demais nunca são bem vistas porque podem criar a impressão que há muitos erros que precisam de reparo. Mesmo que as atualizações não sejam para reparar erros, com certeza a experiência do usuário cai um pouco por ele ter o trabalho de ficar atualizando o app.

 

3. Design visual

O design do aplicativo não é o único fator importante na UX, mas com certeza é um dos mais importantes. O design é o que o usuário vê e sente primeiro. Antes de navegar pelo app ele já vai olhar para a sua tela inicial, observar os símbolos, as imagens e toda a disposição dos elementos. Um design feio resulta em uma experiência ruim, simples assim! Por isso, invista em um design bonito, moderno e condizente com a proposta do seu aplicativo. Atente-se a tudo: cores, fontes, imagens, ícones, tudo isso faz parte da proposta visual do app.

 

4. Clareza em tudo

Tenha certeza que seu design seja simples e que seja claro. Não coloque símbolos confusos ou complicados, não exija do seu usuário que ele adivinhe o que cada símbolo significa e coloque legendas. Caso vá escrever opções no menu, não coloque nomes confusos, seja sempre claro e coloque nomes que o usuário já conheça, como “início” ao invés de “casa” ou “configurações” ao invés de “mudar preferências”, por exemplo.

Assim como o design, a linguagem utilizada também deve ser clara para o usuário. Não use termos formais ou muito técnicos e não use gírias. Pense qual será a persona do seu aplicativo e adeque a linguagem à ela.

 

5. Informações

Mantenha uma aparência clean no conteúdo das telas do aplicativo. Não coloque informações demais nas diferentes telas, deixe a aparência leve com poucas informações (textos e imagens). Não coloque as mesmas informações que estão no aplicativo desktop ou na web, condense as informações e coloque as coisas mais importantes na versão mobile, pois o espaço é menor.

 

6. Fotos e imagens

Tome cuidado ao fazer o upload de fotos ou imagens no seu aplicativo. Se você tiver um catálogo com fotos dos seus produtos, por exemplo, certifique-se de que as fotos estão em resolução boa e que elas não sejam pesadas demais, para carregarem rapidamente. Também se atente ao fato de ter todas as fotos no seu cardápio ou catálogo, para que o catálogo não apresente “buracos”.

 

7. Muito trabalhoso e exigente

Não torne o seu aplicativo “chato” e exaustivo, colocando tarefas exigentes demais. Quando for inserir questionários não coloque 130 questões, condense o questionário e coloque somente 30 questões. Caso o seu cadastro consiste num processo de várias etapas, insira uma barra no topo da tela que mostra em qual etapa o usuário está, isso dá ao usuário uma ideia de quanto tempo ele ainda irá ficar no cadastro e consequentemente quanto tempo ele irá “perder”. Tente fazer do processo de cadastramento algo leve e coloque poucos campos a serem preenchidos utilizando perguntas e frases objetivas.

 

8. Feedback

Não deixe que o usuário fique sem saber o que aconteceu ao fazer uma ação. Se o usuário quiser adicionar itens ao carrinho de compras, mostre uma mensagem pequena que diga “itens adicionados ao carrinho”. Caso não tenha nenhuma notificação sobre a ação que o usuário tomou ele pode achar que o aplicativo está com falhas ou defeitos e não saberá se a ação realmente foi concluída.

 

9. Erros

O que fazer se o usuário cometeu algum erro? No Havaí um funcionário acidentalmente mandou uma mensagem a todos os habitantes daquele estado falando que um míssil iria atingir a área. Esse erro aconteceu porque a interface do programa é péssima e não tinha nenhuma mensagem para confirmar o envio da mensagem. Erros como esse são inadmissíveis e podem ser evitados. No caso do aplicativo não será um míssil, mas imagine que o usuário deleta várias informações valiosas, só porque acidentalmente encostou no botão “deletar”. É interessante sempre inserir uma mensagem de confirmação “você realmente deseja deletar isso?”, antes que a ação seja realmente executada.

 

10. Ajuda

Se você acha que o seu aplicativo é muito diferente e tem funcionalidades, nomes e outras coisas que os usuários não costumam ver em aplicativos mais conhecidos, vale criar um tutorial de ajuda. O tutorial pode ser um passo-a-passo de como utilizar o app ou pode ser a explicação de alguma função mais específica. Lembre-se de ser interativo e não criar um tutorial chato, porque ao invés de aumentar, estará diminuindo a UX. Também deixe o usuário fechar o tutorial a qualquer hora, não obrigando-o a assistir tudo.

 

Viu como a UX não é criada somente pelo design do app? Ela consiste em adicionar algumas funções para deixar tudo mais claro e simples para o usuário. É muito importante que a UX de qualquer objeto ou serviço seja a melhor possível, pois gera o retorno do usuário e a recomendação do serviço. Caso queira dar uma olhada, o Google disponibilizou um guia para deixar um aplicativo mobile mais user-friendly. E aqui você também encontra algumas dicas sobre UX no contexto mobile.

Aqui na Ringa valorizamos muito a experiência dos usuários dos nossos apps. Caso precise de alguma orientação, não hesite em nos contatar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *