O mercado financeiro atualizado – fintechs!

Foto de moça com bitcoins na frente dos olhos.

Já ouviu a palavra fintech mas não sabe o que ela significa? Não sabe por que o NuBank faz tanto sucesso? Vamos te contar nesse blogpost o que são fintechs, em quais segmentos elas se dividem e trazemos três exemplos que estão revolucionando o mercado brasileiro.

 

O que é uma fintech?

Fintech é a junção das palavras inglesas finance e technology, que significam finança e tecnologia, respectivamente. Uma fintech é uma empresa de serviços financeiros que utiliza das tecnologias novas para trazer mais agilidade em seus processos e inovar o mercado financeiro com soluções diferenciadas de custos baixos ou inexistentes.

As fintechs vieram para mudar o jeito como as pessoas se relacionam com seu dinheiro e com processos financeiros em geral.

A maior parte das fintechs são startups que naturalmente já têm uma forte conexão com a tecnologia. Algumas startups resolveram inovar o mercado financeiro aproveitando o crescente uso dos smartphones e aplicativos, focando na experiência do cliente final e não tanto no lucro da empresa. Essas empresas inovadoras também focam na praticidade, e como a maioria não tem espaços físicos para o atendimento aos clientes, resolvem tudo pela internet.

As fintechs se baseiam nos problemas que as pessoas enfrentam e que as instituições financeiras “tradicionais” tentam resolver. Na maior parte dos casos as fintechs conseguem resolver esses problemas de maneiras inovadoras, fazendo o atendimento pela internet, usando tecnologias novas, usando menos burocracia e sendo mais transparentes em suas ações.

Existem muitos segmentos nos quais as fintechs são divididas. Abaixo apresentamos um mapa das fintechs brasileiras divulgado em maio deste ano. O mapa foi criado pelo site Finnovation e pode ser acessado por aqui.

 

 

Quais são os segmentos?

Como dá para ver no mapa, existem no Brasil atualmente 14 segmentos de fintechs. O que querem dizer os nomes dos segmentos e pelo quê cada segmento é responsável? Isso você confere nos próximos parágrafos.

No mapa estão os seguintes segmentos (todos em inglês): Consumer Lending; Business Lending; Insurance; Scoring, Identity & Fraud; Enterprise Technologies for Financial Institutions; Payments & Remittances; Payments: Crypto; Crowdfunding; Wealth Management; Personal Financial Management; PFM: Comparison; Trading & Markets; Digital Banking e Enterprise Financial Management.

 

Consumer Lending significa empréstimos ao consumidor, enquanto Business Lending significa empréstimos para comércio. Esses dois segmentos são responsáveis por facilitarem os empréstimos para consumidores e comércios.

Insurance significa seguro e as fintechs deste ramo estão revolucionando o mercado de seguros.

Um pouco mais comprido, o nome Scoring, Identity & Fraud significa ganhos, identidade e fraude e foca em autenticações, sistemas anti-fraude entre outros.

Enterprise Technologies for Financial Institutions significa tecnologias empresariais para instituições financeiras e essas fintechs fazem, por exemplo, a gestão de contratos com assinatura eletrônica para empresas financeiras.

Payments & Remittances significa pagamento e envio de dinheiro e trata de criar soluções para envio de dinheiro pela internet de maneira segura.

Payments: Crypto significa pagamento: criptomoedas sendo essas fintechs responsáveis por trazerem soluções para pagamentos com criptomoedas.

Crowdfunding mantém o mesmo nome em português e é um método de financiar uma ideia arrecadando dinheiro das pessoas. As fintechs desse segmento desenvolvem sistemas para arrecadar dinheiro.

Wealth Management tem como tradução gestão de riqueza e são criados sistemas que ajudam as pessoas a investirem seu dinheiro.

Personal Financial Management significa gestão financeira pessoal. As fintechs desse ramo facilitam, melhoram e modernizam a gestão das finanças pessoais de cada um, criando aplicativos para gestão financeira, por exemplo.

PFM: Comparison significa gestão financeira pessoal: comparação. Aqui as fintechs criam sistemas que comparam empréstimos, financiamentos entre outros.

Trading & Markets se quer dizer negociação e mercados e as fintechs criam sistemas que acompanham o câmbio de moedas virtuais e físicas.

Digital Banking fica banco digital em português e aqui entram os bancos digitais como NuBank ou o banco Neon. Essas fintechs funcionam como bancos normais, mas fazem tudo online, não tendo central de atendimento física.

Por último temos Enterprise Financial Management que significa gestão financeira empresarial. As fintechs deste segmento apresentam diversas soluções para gestão empresarial como controle de notas fiscais ou automatização de lançamentos.

O jornal O Estadão divide as fintechs em somente oito segmentos. Dê uma olhada na divisão do Estadão, clicando aqui.

 

Exemplos de fintechs

Agora que já conhece os 14 principais segmentos de fintechs no Brasil, trazemos três que estão revolucionando o mercado financeiro brasileiro.

NuBank

Atualmente quando pensamos em banco online no Brasil o nome NuBank vem à cabeça de muitos. O NuBank pertence às fintechs do segmento banco digital e é um exemplo ótimo de empresa que inovou completamente o mercado “tradicional”. Nascido em 2013 a proposta do banco é ser “uma startup que emite e administra um cartão de crédito com a bandeira MasterCard®, e tem como objetivo melhorar a experiência dos clientes com cartão de crédito através do uso de novas tecnologias e design.” Focado 100% no cliente, se destacaram quando lançaram um cartão de crédito sem anuidade, completamente gratuito, cujo limite pode ser alterado a qualquer momento pelo próprio usuário no aplicativo do NuBank no celular.

 

Imagem retirada daqui.

 

Moip

O Moip é uma empresa de pagamento e entra no segmento de pagamentos e envio de dinheiro. Fundado em 2008, nasceu com “a ideia de criar uma solução que facilitasse o recebimento de pagamento na internet e impactasse de maneira positiva o negócio de milhares de empreendedores digitais.” Outra fintech que não cobra mensalidades, inovou o mercado quando lançou o conceito de Checkout Transparente, ganhando muito reconhecimento nacional e internacional. O reconhecimento foi tanto que em 2016 foi comprado pela empresa alemã Wirecard.

Imagem retirada daqui.

 

Warren

Já o Warren entra no segmento de gestão de riqueza e é para quem pretende investir dinheiro de forma rápida e fácil. Com o logo “o jeito mais fácil de investir bem” e uma combinação de cores atraente – diferente das empresas tradicionais de investimento – o Warren é uma fintech que nasceu em 2014 nos EUA e veio ao Brasil em 2016. Com um investimento inicial de, no mínimo, R$ 100 qualquer pessoa pode começar a investir. Assim a plataforma também se destaca das demais que costumam cobrar um investimento inicial muito maior. O Warren realmente faz jus ao logo, pois já incentivou mais de 50.000 pessoas a investirem seu dinheiro, e isso em menos de quatro anos.

 

Imagem retirada daqui.

 

 

Como dá para ver, de fintech o Brasil entende bem! Existem cerca de 350 fintechs no país, alguns modelos se espelharam no exterior, outros chegaram para atender as necessidades específicas enfrentadas no Brasil. Quanto às regulamentações, novas leis estão sendo criadas e leis antigas estão sendo adaptadas. A vida das pessoas está em constante mudança com tantas ideias novas surgindo por aí e no Brasil as fintechs com certeza chegaram inovar e facilitar cada vez mais a vida dos brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *