Planejamento já!

Como dissemos no post anterior, é quase tradição no Brasil o  chamado “ano produtivo” começar só depois do carnaval. O que pode ser até uma vantagem, pois o mês de janeiro pode ser inteiramente utilizado para PLANEJAMENTO. O termo para alguns é sinônimos de reuniões intermináveis com equipes, diretores, clientes… mas a verdade é que, quando ele é bem feito e seguido direitinho, podem-se obter inúmeros benefícios para a empresa a curto, médio e longo prazo. Continue lendo!

Top Apps 2015!

Já que no Brasil tornou-se comum para várias empresas começar o chamado “ano produtivo” apenas depois do carnaval (que em 2016 será no dia 9 de fevereiro), o mês de janeiro tornou-se muito bom para retrospectivas.

Para os desenvolvedores, é interessante entender como funcionou o mercado no ano anterior para traçar as metas do próximo ano, fazendo com que seja mais fácil visualizar os caminhos para atingir os objetivos. Como se comportou o mercado de aplicativos? Quais os apps mais procurados pelas empresas? E quais os menos procurados? Que empresas obtiveram sucesso em 2015 e quais as razões desse sucesso? Continue lendo!

Férias Mobile!

A correria do Natal acabou, a ressaca de fim de ano passou, e para muitas pessoas, a melhor parte do ano começa agora: FÉRIAS! As praias ficam lotadas, resorts estão sem vagas pelos próximos 2 meses e a maioria das escolas só iniciam o período letivo após o carnaval.

E seja na praia, nas montanhas ou em resorts, uma coisa é certa: ninguém larga o celular na hora de sair de casa. Continue lendo!

Ih, “deu bug”!

Se existe uma coisa que tira todos os usuários de dispositivos mobile do sério são os bugs (ou “falhas”). Quem estava terminando uma fase difícil em um game ou finalizando um post gigante no blog e se deparou com o fechamento inesperado do aplicativo sabe do que estamos falando.

Existem diversos tipos de bugs, como aqueles realmente irritantes que fecham ou reiniciam aplicativos, e aqueles que mais assustam os usuários, os defeitos relativos à segurança, seja do dispositivo mobile, seja do app. Continue lendo!

Uma beleza de aplicativo!

Alguns mercados parecem ser imunes a qualquer crise financeira e a área de beleza e estética é um deles.

Em 2015, o setor teve um aumento de 7,5% no faturamento, o que totaliza aproximadamente R$42 billhões, segundo Luis Malandrino, diretor de uma feira de beleza que aconteceu na cidade de São Paulo em setembro deste ano.

Até o fim de 2015, estima-se que o brasileiro gaste em torno de R$ 50 bilhões com produtos e serviços de beleza, segundo a ABIHPEC . Continue lendo!

Esse tal de BUSINESS INTELLIGENCE…

As grandes corporações não precisam mais (nem devem) contar apenas com a boa e velha intuição dos presidentes para determinar os rumos de seus negócios. Com o BUSINESS INTELLIGENCE, as decisões estratégicas mais importantes da empresa agora podem ser tomadas baseadas em dados e informações concretas sobre o mercado e sobre seus clientes. Mas o que exatamente significa esse termo “BUSINESS INTELLIGENCE”  que está sempre presente nas conversas sobre empreendedorismo e negócios? Continue lendo!

Android ou IOS: é preciso escolher?

Muitas pessoas ficam em dúvida quando precisam escolher um novo celular: IOS ou Android? Quais as principais diferenças? Quais as vantagens e desvantagens de um e do outro?

Assim também se sentem os desenvolvedores, na hora de escolher para que plataforma desenvolver, ou melhor, para que plataforma desenvolver primeiro, pois às vezes é um mau negócio oferecer aplicativos apenas para um determinado sistema operacional. Continue lendo!

1…2…3… desenvolver!

Investir no mercado de aplicativos é tentador para os desenvolvedores de hoje. É uma das poucas áreas que resiste à crise e ainda cresce vertiginosamente. Segundo o site DNA Digital, no ano de 2013 o mercado atingiu uma receita global de 27 bilhões de dólares, com crescimento de 100% ao ano. Pesquisas recentes da Gartner preveem que o mercado chegue a US$77 bilhões em 2017. Continue lendo!

Vamos brincar de apps?

As crianças de hoje nasceram em um mundo onde smartphones estão mais presentes nos lares do que a televisão. Segundo uma pesquisa da Common Sense Media, um grupo sem fins lucrativos com sede em São Francisco, só nos EUA, 39% das crianças com idades entre 2 a 4 anos e 52% das crianças de 5 a 8 anos  já usaram um iPad, um dispositivo touchscreen do iPhone ou um similar para jogar jogos, assistir vídeos ou usar outros aplicativos. A tecnologia touch é tão simples para elas quanto folhear um livro e os tablets nada mais são do que revistas interativas onde tudo é aumenta de tamanho, gira, faz barulho e é onde elas acham informações sobre tudo e qualquer coisa no momento que quiserem. Continue lendo!

Aplicativos Colaborativos

A crise econômica parece ter se instalado em diversas partes do mundo. Aqui no Brasil o termo está presente quase diariamente nos headlines dos principais jornais impressos e televisivos. E para combater a crise, surge um novo tipo de economia que ganhou espaço principalmente graças à facilidade de acesso e ao desenvolvimento da internet: a chamada ECONOMIA COLABORATIVA. Continue lendo!